Buscar
  • Gilberto Lôbo Paes Filho

BOLA DE NEVE: cuidados necessários ao mudar o banco de recebimento da aposentadoria.

Atualizado: Mai 11

Pessoas que recebem aposentadoria ou benefício do INSS sabem que é muito comum o banco cobrar taxas e serviços que não foram solicitados e que são desnecessários. Muitas vezes, o banco retira a cobrança após reclamação, mas com o tempo vai incluindo novamente todas as tarifas e serviços, até que o cliente perde a paciência e muda de banco.


Se você já passou ou está passando por isso e deseja mudar de banco, fique atento: você precisa cancelar a sua conta após a mudança, pois é muito comum o banco continuar cobrando taxas na conta inativa, aumentar limites, cobrar juros sobre juros. Essa situação cria uma verdadeira bola de neve com a dívida na conta que você não usa mais.


A primeira coisa que o cliente precisa saber é que existem bancos com maus funcionários. O funcionário, sempre que abre uma conta nova ou vende um produto (seguro, pacote de serviços), ganha pontuação positiva; por outro lado, quando o funcionário exclui uma tarifa ou cancela uma conta, isso gera pontuação negativa para o funcionário e prejudica as metas da agência. Essa pontuação é um controle interno do banco, de modo que o funcionário não pode deixar essas metas influenciar seu trabalho – o funcionário deveria fazer o que o cliente pede, mesmo que isso prejudique a pontuação da agência. Um gerente sério não manda seus funcionários recusar o cancelamento de conta ou tarifa, mas não é raro o banco recusar o cancelamento da conta. Por todos esses motivos, é importante DOCUMENTAR TODOS OS REQUERIMENTOS.


Já chegaram ao nosso escritório casos em que o cliente pediu ao atendente para cancelar a conta, o atendente disse que tinha feito o cancelamento, mas não entregou nenhum comprovante ou protocolo. Resultado: a conta continuou aberta cobrando tarifas, juros sobre juros, o que gerou uma dívida de quase R$20.000,00 (vinte mil reais). Por isso, se você deseja mudar de banco, exija o cancelamento da conta no banco antigo, e peça protocolo do atendimento ou mande por e-mail a solicitação (e guarde o comprovante). Outra informação importante é que o banco não pode se recusar a cancelar uma conta por causa de débitos, nem condicionar o cancelamento ao pagamento da dívida – se isso acontecer, procure um advogado de sua confiança.


No caso relatado acima, em que o banco gerou um débito de quase R$20.000,00 (vinte mil reais) em uma conta inativa, nosso escritório entrou com ação judicial e conseguiu comprovar que o banco não pode continuar cobrando tarifas após seis meses de inatividade da conta, e o Juiz julgou procedente o pedido e mandou o banco excluir a maior parte da dívida e dos juros. De toda forma, é melhor prevenir do que remediar, por isso evite dor de cabeça e exija protocolo de todos atendimentos e requerimentos feitos ao seu banco, principalmente quando se tratar de encerramento de conta.

21 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

DANOS MORAIS POR ATRASO NA RELIGAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Em razão da pandemia de COVID-19, o corte de energia elétrica de consumidores de baixa renda está suspenso até 30 de junho de 2021. Essa proibição de corte de energia vale apenas para consumidores de

VENDA CASADA: o que diz a lei sobre esse tipo de negócio?

O Código de Defesa do Consumidor – CDC proíbe a venda casada (art. 39, I, da Lei 8.078/90). A venda casada é quando a loja “condiciona o fornecimento de produto ou de serviço ao fornecimento de outro